SOLSTÍCIOS DE VERÃO E DE INVERNO


Solstício de Verão (dezembro 2016)

Solstício, do latim Sol+sitere (que não se mexe), portanto algo como se fosse “Sol parado” algo assim. Solstícios ocorrem duas vezes por ano, dezembro e junho. Quando ocorre em dezembro .é denominado “solstício de verão” e o de junho, por sua vez, “Solstício de inverno”. No verão os dias são mais longos do que as noites e no inverso é inversamente proporcional. Convencionou-se, comumente, que os Solstícios assim como os equinócios ocorrem entre os dias 20, 21 e 22 dos respectivos meses (dezembro e junho para os Solstícios e março e setembro para os Equinócios), apesar de que para a astronomia eles ocorrem em datas diferentes a cada ano, porem sempre entre os dias 18 e 24, variando, também, anualmente, o horário do início é término.

As culturas antigas, principalmente os sumérios, egípcios, caldeus e babilônicos desenvolveram observatórios astronômicos com uma precisão incrível mesmo para aquela época e determinavam com muita exatidão os períodos corretos para cada evento astronômico e astrológico.

O Natal dos tempos atuais nada mais é do que uma adaptação das chamadas “comemorações pagãs” praticadas por aqueles povos e incorporada pela cultura do Império Romano na comemoração do “Solis Invictus” (a vitória do Sol sobre a escuridão), a finalidade era recepcionar os membros das inúmeras comunidades pagãs ao recém adotado cristianismo.

Aquilo que os cristãos festejam hoje como sendo o “nascimento de Cristo” era festejado 5 mil anos antes pelos impérios persa e hindu que  reverenciavam as divindades de Mitra como um símbolo do "Sol Vencedor", marcada pelo solstício de inverno  (de verão para o Hemisfério Sul).

No Peru, até hoje se comemora  a “Festa do Sol do Império Inca”.

Astrologicamente, é o período em que Marte entra em Peixes (símbolo utilizado por Jesus Cristo e os cristãos em geral) e esse período é propício para maior reflexão sobre nossas atitudes (ações e omissões) do período anterior (últimos 11 meses) e de que forma poderemos melhorar para o próximo ano.

Por ser um signo da água (último signo no zodíaco maçom, coluna dos mestres, simboliza  o alcance da perfeição, da plenitude etc), nos sugere que sintamos a vida com maior fluidez, mais suavidade e que possamos nos moldar (assim como a água) quando necessário, às mais infinitas formas de contenção enquanto for necessário e que possamos, assim como um rio caudaloso (Rio Nilo) transbordarmos as margens que nos contém quando for chegado o momento correto (momento das cheias), pois na vida, há um momento para tudo.

Experimento Ritualístico

(individual)

Um copo d’água. Isso mesmo. O experimento místico ensinado e praticado pelos maçons egípcios não requer nada mais nada menos do que um copo com água. Ponha água em um copo de vidro de preferência transparente; coloque-o entre suas mãos com os dedos cruzados entre si de modo que os polegares se toquem (veja o exemplo na imagem); faça suas orações ao Deus do seu coração, não peça nada para si, ao contrário, ofereça algo de si, faça projetos (mas não pedidos), deseje viver a vida intensamente  como desejaria tomar um copo de água caso estivesse prestes a “morrer de sede”, entenda que atingir seus objetivos para o próximo ano não depende unicamente de você, mas sim e principalmente de uma força misteriosa que permitirá ou não que continue vivendo mais um dia; agora chegou o momento de fazer pedidos, mas não para si e sim para os outros, pessoas próximas ou distantes, pessoas particularizadas e também para aquelas que você nem conhece mas que necessitam das suas orações (enfermos, encarcerados, rejeitados,  solitários, povos das regiões que estão em guerra, sobreviventes, refugiados, famintos etc). Ao final, agradeça ao Grande Arquiteto do Universo ter Ele permitido que você, neste momento, esteja em condições de “doar essa oração” ao contrário daqueles que estão necessitados dessas orações. Deposite todos os seus pensamentos naquele copo de água e água deposite-o em um local seguro onde poderá permanecer até o final do Solstício de verão que será o início do Equinócio de Outono. Essa água não deverá ser ingerida, ficará evaporando e levando consigo todos os seus pensamentos ao Cosmos. Ao final do período, caso ainda reste um pouco de água no recipiente deverá ser descartado na terra de preferência em uma planta.

(coletivo)

Esta é uma versão para uso coletivo do ritual acima. Junte seus amigos, familiares ou colegas de trabalho, todos aqueles que creem na força de uma prece. Siga o texto acima, mas ao invés de entrelaçar unicamente as suas mãos no copo com água, faça da seguinte forma:

a)            Junte todos aqueles que irão participar do ritual e que cada qual dê as mãos uns aos outros de modo que ambas as mãos de cada participante estejam segurando a mão do outro;

b)           Coloque o copo com água no centro do grupo, sobre uma mesa ou cadeira ou qualquer móvel que se destine a isso;

c)            Leia pausadamente o texto do ritual para que cada um possa entender e pratica-lo igualmente.

d)           Ao final destine o copo com água a um local seguro onde permanecerá pelo período necessário, não importando se todos que se uniram em oração estarão presentes durante aquele período ou voltarão para suas casas etc. (exemplo para as festas do final de ano onde recebemos as visitas de parentes, amigos etc)

A VIDA DURANTE O SOLSTÍCIO DE VERÃO

 Aproveite sua própria jornada, mesmo que surjam imprevistos e tenha que mudar seus planos. A vida está além do nosso controle, querer controla-la é uma das maiores ilusões do ser humano. Podemos aproveitá-la, mas não podemos controlá-la. Por isso mesmo, encare cada novo passo como se fosse um objetivo alcançado, dê novos passos todos os dias e sua vida será repleta de novos objetivos alcançados constantemente e você viverá feliz enquanto durarem seus dias na face da terra.

Mensagem Final:  Feliz Solstício de Verão.

Autor: Sereníssimo Grão Mestre Helio Antonio da Silva, especialmente para instrução ritualística aos membros da GLOMEB.  (dezembro de 2016)

Logo abaixo segue um texto sobre o Solstício de Inverno. Caso queira ler sobre os Equinócios então clique aqui.


Observação: Quer ver as imagens que ilustram este texto ou quer obter o texto em pdf então clique aqui e baixe para o seu computador, tablet ou smart fone (celular em geral acesso a internet e aplicativo PDF instalado). BAIXAR




Palavra do Sereníssimo: Solstício de Inverno (Hemisfério Sul)

21 de junho

                Neste ano, decidi substituir a “tradicional Palavra do Sereníssimo” sobre o evento “Solstício de Inverno”, por um estudo, ainda que raso, porem específico, com foco nessa data. O destaque vai para a Maçonaria Egípcia, da qual a GLOMEB é uma preservadora e divulgadora, com ênfase no Antigo e Primitivo Rito Oriental de Memphis Mizraim (APROMM), praticado em nossas - Lojas. Na qualidade de “maçons egípcios” que somos, não podemos deixar de – ao menos- lembrarmos dessas datas em nossas Lojas e fazer a devida e respectiva menção aos nossos associados, aproveitando a reunião mais próxima dessas datas.

                Vamos ao estudo.

Como ocorre todos os anos, a natureza nos proporciona o fenômeno da mudança das estações:

Primavera, Verão, Outono e Inverno.

Essas mudanças ocorrem, aproximadamente entre os dias 19 e 22 dos meses:

Primavera: 21 de setembro

Verão: 21 de dezembro

Outono: 21 de março

Inverno: 21 de junho

Adotou-se como praxe fixar o dia 21 como a data da transição entre as estações. Os horários também são os mais variados, mas convencionou-se o horário do nascer do Sol no dia 21 como ponto primordial.

 

A Maçonaria e o Solstício.

Tradicionalmente a instituição Maçonaria sempre esteve ligada aos Equinócios e Solstícios. Porem, nós últimos 50 anos, os maçons que seguem o Rito Escocês Antigo e Aceito deixaram de praticar as cerimônias magnas dedicas aos Equinócios e resumiram a prática apenas aos Solstícios, tanto o de inverno quanto o de verão. No Brasil manteve-se uma prática de comemoração junto ao Solstício de inverno (junho) onde as lojas têm uma comemoração especial e as afiliadas ao Grande Oriente do Brasil reservaram para este período a eleição dos novos Veneráveis. Via de regra a substituição das “Luzes da Loja” é realizada nessa época. As Lojas filiadas a Grande Loja do Estado de São Paulo (ou nos demais Estados) e ao Grande Oriente Paulista, mantiveram a eleição para o mês de março, tendo como base o Equinócio de Outono, mas não que isso seja uma comemoração relativa ao fenômeno da natureza.

A Maçonaria Egípcia e os fenômenos.

                Para nós, Maçons Egípcios por convicção, fica claro a ligação entre a maçonaria e o Solstício de Inverno. No Antigo Egito seguia-se o aparecimento da “Estrela Sothis” (Sirius, para nós) como data de grande importância, pois marcava o início da “cheia do Rio Nilo” que, como todos sabemos ao estudar essa parte da história, proporcionava a fertilização do solo e o posterior plantio com a consequente colheita abundante que transformou o Egito, durante mais de mil anos, no “celeiro da humanidade” com seu quase incalculável estoque de trigo (e outros) que servia para alimentar seu povo bem como os estrangeiros que até  lá se deslocavam para adquirir o precioso produto.

                Nas “terras de Can” (Egito), o mês de junho representava o último período da colheita, os egípcios se apressavam para dar conta do trabalho pois sabiam que no mês de julho (que era o primeiro período dos três) as águas do Rio Nilo inundariam toda aquela região e isso – ainda que sendo uma dádiva – também significa a destruição pela enchente de tudo aquilo que estivesse um pouco próximo às margens do Nilo. Portanto, não havia tempo para distrações, era necessário correr para colher o máximo possível e preparar o estoque dos grãos nos reservatórios que ficavam distantes das margens do rio. O trabalho era colher os grãos, ensaca-los, transportar até os reservatórios e armazená-los de modo a que ficassem conservados até a próxima colheita.                                                        

Religião e Paganismo

O Solstício de Inverno sempre esteve ligado a comemoração pagã em homenagem ao renascimento do “Deus Sol Invictus” e a Igreja Católica adotou a data como o nascimento de Jesus Cristo, levando os fiéis a comemorem o que hoje, por costume denominados de “Natal” que nada mais é do que o “nascimento do Deus-Sol.”

                                                  

                                                               (Jesus representa o Deus-Sol)

Esotericamente

                (É a noite mais longo do ano, período máximo da escuridão.)

                A mensagem esotérica, para nós maçons egípcios, é clara: O Solstício de inverno marca o início de um período no qual ainda estamos trabalhando muito para concluir nossos trabalhos, sejam eles filosóficos, espirituais ou matérias. A reflexão que se faz é sobre a necessidade de não esmorecermos diante o período frio que se aproxima, dias mais acinzentados que tomarão conta da paisagem mas que não podem influenciar em nosso estado de espírito e nem de humor, muito menos na nossa vitalidade que será colocada a prova agora mais do que nunca.

                O maçom deve seguir essa lição para ter sabedoria naquilo que irá fazer dentro do período de inverno. Trabalhar mais e mais. Ter mais atenção na hora de colher aquilo que plantou. Certamente que no meio do trigo encontramos o joio, esse tem que ser separado. Não podemos armazenar ervas daninhas em nosso reservatório, pois irá prejudicar nosso alimento para os próximos meses. É hora de colocar em prática o perdão e o esquecimento daquilo que nos fizeram nos períodos anteriores para que nossa alma se alimente apenas do trigo celestial.

                A enchente do Nilo em breve estará em nossa vida. As águas têm dois significados, um momento de enchente que irá preparar o terreno para nova plantação, novas ideias, novos projetos e objetivos, porem essa mesma água que irá preparar o terreno também poderá causar uma destruição daquilo que foi construído muito próximo às margens. O rio significa algo ou alguém que precisamos muito até aquele momento, em que confiamos e portanto construímos uma situação em suas margens, porem confiamos demais e construímos muito próximo das margens e agora tudo será demolido. Portanto, continue confiando mas construa um pouco mais longe da próxima vez, para que as águas – que sempre sobem – não te derrubem constantemente. Tenha sempre um armazém distante no qual possa guardar com segurança aquilo que conseguiu com seu trabalho durante o período de plantio e colheita, não desperdiçando, assim, a sua energia vital sempre com o mesmo trabalho.

                Plantar e colher simbolizam o esforço físico, a força bruta, mas armazenar em local seguro simboliza a força da inteligência. Para muitos pode ser que esse é momento de substituir a força física que utiliza no seu dia pela inteligência, a força mental, colocar em prática os poderes mentais já desenvolvidos pelos exercícios que praticou durante os outros períodos.

                Também é necessário observar que nesse período de inverno existe uma tendência a contrair moléstias relacionadas a respiração, principalmente a gripe em suas várias expressões, por isso, o maçom sábio, acautela-Tt contra o tempo frio, com a taxa de umidade do ar e recolhe-se ao anoitecer, evitando a exposição desnecessária a baixa temperatura da madrugada.

                Tanto esotericamente quanto fisicamente, o Maçom Egípcio é mais sábio e prudente se comparado aos profanos. Essa sabedoria está intimamente ligada ao conhecimento sobre os Equinócios e Solstícios que nos leva a sermos mais prudentes e como nos conduzirmos em cada um desses períodos que a natureza nos proporciona.

Comemoração em Loja:

                Nas Lojas da Maçonaria Egípcia para o Antigo e Primitivo Rito Oriental de Memphis-Mizraim (APROMM), comemora-se o dia 21 de junho (na cerimônia mais próxima, antes ou depois), com uma cerimônia especial (magna) a qual conta com os seguintes materiais:  a) toalha vermelha para o altar do VM; b) vinho que pode ser quente ou frio e ainda substituído por suco de uva puro; c) bolo ou pão de sementes secas ou frutas cristalizadas; d) ramos ou troncos secos de árvore.

                A comemoração é realizada em uma sessão magna exclusiva ou dentro de uma outra sessão que poderá ser transformada em “sessão especial de Solstício”. A finalidade do ritual e preparar os participantes para a noite mais longa do ano com pedidos para que o Deus-Sol volte a brilhar intensamente ao final desse período. A liturgia é exclusiva dos associados e o Venerável Mestre assume o cargo de Sacerdote ou delega a função para um dos oficiais mais apto para esse mister.

Comparação com o Hemisfério Sul:

                No Hemisfério Sul o Solstício de Inverno ocorre entre os dias 19 e 22 de junho, é conhecido como “Inverno Austral” e abrange os meses de junho, julho, agosto e setembro.

Comparação com o Hemisfério Norte:

                No Hemisfério Norte o Solstício de Inverno ocorre entre os dias 19 e 22 de dezembro, é conhecido como “Inverno Boreal” e inclui os meses de dezembro, janeiro, fevereiro e março.  

                Concluindo: Devemos conhecer e respeitar esses períodos. A inteligência não necessariamente é um dom, ela pode e deve ser desenvolvida com dedicação, estudo e disciplina.

                Feliz Solstício de Inverno a todos!

ANEXO:

Meses Egípcios

 

Atualmente: Estamos na estação de Shemu, que ocorre entre março e junho. A próxima estação é Akhet que se inicia aproximadamente entre os dias 15 e 20 de julho, a época das cheias. O mês de junho para os antigos egípcios era chamado “mesore” que era o último mês do último período (Pereth). É importante compreender que eram três períodos ao invés das quatro estações que temos hoje em dia, pois para os egípcios não existia o “inverno” como conhecemos. Não podemos confundir os períodos com os nomes dos meses, são totalmente diferentes, assim como não confundimos “março” com verão.

 

Nome das Estações para os Antigo Egípcios:

1ª. Estação:  Akhet

2ª. Estação: Pereth

3ª. Estação: Shemu

 

“Data de hoje segundo o calendário egípcio: 12º. Mês (mesore), quarto período de Shemu.”

 

(Autor: Helio Antonio da Silva. Em 23/06/2014. Edição do autor, texto próprio com edição de imagens obtidas livremente na internet.)

Texto em PDF com imagens e os períodos do ano e o calendário egípcio completo poderá ser baixado neste link   CLIQUE AQUI

 

 

 



 

SOMOS UMA associação cultural, artística e filosófica legalmente registrada.

cnpj 11.643.230.0001-95                        inscr. est, isenta            inscr. mun.   3172870

        Sede: rua bernardino de campos 3180 conj 704 são josé do rio preto/sp

  Site Map